Nada sober vós sem vós

Log in
updated 10:58 AM UTC, May 21, 2022
Informação:
LEIA E PARTILHE: a última edição da revista digital da Plural&Singular que já vai na 26.ª edição e tem em destaque a 7.ª edição do concurso internacional de fotografia "A inclusão na diversidade"

Guimarães: Plural&Singular “troca por miúdos” conceitos complexos na ASSP

A Plural&Singular, marca gerida pelo Núcleo de Inclusão, Comunicação e Media, e a Delegação de Guimarães da Associação de Solidariedade Social dos Professores (ASSP Guimarães) apostam no desenvolvimento do projeto “Trocar por miúdos - Eu, o outro e o mundo”- conceitos complexos explicados às crianças e jovens” e vão desenvolver, a partir de hoje, 29 de junho, 10 sessões dirigida ao público infantojuvenil que frequenta as atividades de tempos livres nas férias de verão.

“Trocar por Miúdos” as dificuldades que as crianças e jovens têm para se apresentarem, à imagem do que acontece com muitos adultos, é o ponto de partida destas sessões de um projeto que a Plural&Singular identificou necessário para explicar vários conceitos complexos às crianças e jovens, nomeadamente, os termos que são abordados nas formações desenvolvidas pelo Núcleo de Inclusão. “As temáticas das formações da nossa organização focam muito a utilização correta da linguagem e apontam para a forma mais inclusiva de comunicar, mas na hora de explicar as palavras-chave utilizadas às crianças e jovens percebemos que a abordagem teria que ser outra”, explica a coordenadora do projeto da Plural&Singular, Sofia Pires.

Nesta iniciativa, a ASSP Guimarães identificou “uma ferramenta inovadora e criativa para abordar conceitos complexos juntos de públicos mais jovens” e enquadrou o desenvolvimento destas sessões “no eixo do Apoio à Educação do projeto ASSP' XL, que se dedica à educação não formal de crianças e jovens e à dinamização de atividades de tempos livres”. “Ao ler o projeto percebemos que partilhamos muitos objetivos, tais como, desenvolver a consciência social e a empatia, promover a tomada de decisões construtivas e sustentáveis, entre outros”, comenta a psicóloga da ASSP Guimarães, Virgínia Martins. “O ‘Trocar por miúdos’ tem a vantagem de nos oferecer uma metodologia lúdica, prática e aglutinadora de um conjunto de temáticas, facilitando em grande medida o sucesso e alcance desses objetivos”, acrescenta.

Foi com o intuito de agarrar este desafio que o projeto “Trocar por miúdos - Eu, o outro e o mundo” foi criado. Porque, segundo a organização, à medida que se desenhava a melhor maneira de explicar conceitos como a inclusão, a equidade e a diversidade, identificou-se a necessidade de interligar outras dimensões do “eu, do outro e do mundo” para que a dinâmica das próprias sessões conseguisse passar uma mensagem holística. “Estava a parecer muito redutor e até descontextualizado criar sessões, como inicialmente, estávamos a fazer, para explicar conceitos que nos pareciam apenas a parte de um todo que também identificámos como sendo necessário “descomplicar”, esclarece Sofia Pires.
É por isso que das 10 sessões que integram o “Trocar por Miúdos” existem três sessões por dimensão: “Eu”, “Eu e o outro” e “Eu, o outro e o mundo”, sendo que a décima sessão pretende interligar estas três dimensões, fazendo com que as crianças e os jovens reconheçam que têm direitos e responsabilidades, devem demonstrar solidariedade com as outras pessoas e devem estar preparados para dar algo em troca à sociedade. “Acreditamos que nos pode ajudar a desenvolver competências pessoais e sociais nas crianças e nos jovens, potenciar as suas capacidades intelectuais e cognitivas e contribuir para que tenham os meios necessários para assumirem a sua cidadania de pleno direito”, concorda Virgínia Martins.

A potencial parceria com a ASSP Guimarães foi desde logo identificada pelo Núcleo de Inclusão por reconhecer o dinamismo desta entidade e por acreditar que tinha o perfil ideal para identificar as mais-valias deste projeto. “Foi o que aconteceu e tal como a ASSP de Guimarães, também a Plural&Singular não gosta de trabalhar sozinha. Nesse sentido, vamos avançar também em julho com o programa completo das 10 sessões”, adiantou Sofia Pires. “Consideramos que a nossa missão está alinhada com a missão do Núcleo de Inclusão. Esta parceria junta diferentes saberes o que enriquecerá, com toda a certeza, a dinamização das ações e respetivos resultados”, completa.
As ações decorrem a partir do mês de julho, das 10h00 às 12h00. A um ritmo de duas por semana e são dirigidas a um grupo heterogéneo, que alberga crianças do 1.º ao 6.º anos de escolaridade, o que constitui um desafio acrescido para o desenvolvimento da atividade. “Aceitámos o repto e vamos, certamente, aprender tanto ou mais do que o que pretendemos ensinar”, conclui Sofia Pires.

 


Mais sobre a Delegação de Guimarães da Associação de Solidariedade Social dos Professores:
A Associação de Solidariedade Social dos Professores é uma organização de professores que tem como objetivo e atividade a prestação de serviços de natureza social, humanitária e cultural aos seus associados e familiares.
Juridicamente está constituída como Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) e registada como pessoa coletiva de direito privado sem fins lucrativos.
A ASSP apresenta como princípios fundamentais: a independência em relação ao Estado, organizações politica, instituições religiosas e quaisquer outras organizações; representatividade democrática; participação dos membros no seu funcionamento; e solidariedade de todos os associados na concretização da sua missão. Os seus objetivos passam por: promover e desenvolver respostas capazes de proteger os idosos e pessoas com deficiência; apoiar a família, infância e juventude; dinamizar atividades culturais, formativas promotoras da realização pessoal; proteger a saúde através de cuidados de medicina preventiva, curativa e de reabilitação; e estabelecer protocolos com outras organizações para a prossecução dos seus objetivos. Para os concretizar, propõe-se a criar e manter equipamentos e respostas sociais adequadas às necessidades, como os nossos projetos aqui apresentados.
Localmente, constitui objetivo prioritário assumir uma postura mais interventiva e participada na resolução das necessidades sociais diagnosticadas no concelho de Guimarães.


Organização:

Financiamento:



Apoios e parcerias:

Itens relacionados

  • 27ª Edição
  • Procuram-se jovens com deficiência para semear e espalhar mudanças

    O Seeds of Change: Take Yours and Spread, um projeto desenvolvido pelo Palavras Infinitas - Núcleo de Inclusão, Comunicação e Media, tem marcado para 29 de abril, a partir das 18h00, a apresentação do que propõe realizar durante 12 meses de atividade com vista a identificar os jovens com deficiência espalhados por Portugal e capacitá-los enquanto agentes de mudança.

  • Estão abertas as candidaturas ao concurso internacional de fotografia “A inclusão na diversidade”

    Estão abertas, até 15 de abril, as candidaturas ao concurso internacional de fotografia “A inclusão na diversidade”. A oitava edição desta iniciativa quer, como sempre, celebrar a inclusão, a equidade e a igualdade de direitos e oportunidades numa sociedade caracterizada pela diversidade. Participe!

  • Guimarães-Porto: a viagem da inclusão na diversidade

    Proposta de roteiro para o dia 03 de dezembro: de manhã assista à apresentação do livro “Cicatrizes no corpo e na alma”, de Cândida Proença, que se realiza às 11h00 no Paço dos Duques de Bragança, em Guimarães, e depois siga para o Porto e marque presença na inauguração da exposição das fotografias vencedoras da 7.ª edição do concurso internacional de fotografia “A inclusão na diversidade” a partir das 17h00, no Centro Português de Fotografia.

  • Pessoas com deficiência protestam pelo direito ao acesso antecipado à reforma

    Muitos associados e amigos do Centro de Vida Independente (CVI) amanhã, 16 de setembro, vão estar em frente à Assembleia da República, a partir das 14 horas, porque se sentem “fartos de esperar” pela definição das condições de acesso à reforma para as pessoas com deficiência. O CVI apela a todos os apoiantes desta causa a juntarem-se neste protesto que pretende “velar simbolicamente o cadáver imaginário de um trabalhador com deficiência que morreu sem ter tido a oportunidade de gozar um único dia de reforma”.

Consola de depuração Joomla

Sessão

Dados do perfil

Utilização de memória

Pedidos à Base de dados