Nada sober vós sem vós

Log in
updated 6:13 PM UTC, Dec 31, 2022
Informação:
ESTEJA ATENTO: a Plural&Singular faz 10 anos e vai lançar a 28.ª edição da revista digital semestral que dá voz às questões da deficiência e inclusão

Espetáculo “Dormir sob uma pedra” da APPC estreia a 8 de julho

Associação do Porto de Paralisia Cerebral (APPC) estreia a 8 de julho  no Auditório Horácio Marçal, pelas 21h45,  o espetáculo “Dormir sob uma pedra”, indicou a encenadora Mónica Cunha, da Companhia Era uma vez…Teatro.

O trabalho parte de textos de criação coletiva e na sinopse lê-se que “a construção do espetáculo foi por parte do coletivo um processo de aprendizagem sobre o outro”.

“É a análise sobre a raiva, o amor, a sexualidade e a igualdade de género, que nos transporta para um universo de caos afetivo. Hoje, onde todos nós nos preocupamos em vender uma boa imagem, homens e mulheres obcecados por si mesmos, pela aparência e o sucesso desfilam cheios de preconceitos”, continua a sinopse.

“O trabalho individual das personagens desmontou as aparências, criou ilusões, frustrações, gerou muitos sorrisos, tristezas e levantou muitas questões. Foi um trabalho fantástico para cada um de nós! Queremos levar todas esta emoções até si e fazê-lo reflectir sobre si mesmo. Porque apesar de tudo "dormir sob uma pedra" pode ser muito bom!”, termina o texto sobre o espectáculo.

FICHA
Interpretação: António Miguel Carvalho, Ariana Sousa, Ana Filipa Monteiro, Paulo Cruz, Paulo Fonseca, Jorge Ribeiro, Nate Sam, Patrícia Vitorino, Henrique Tavares e Marta Silva
Sonoplastia: Luís Bamonde
Direcção técnica : Cláudia Diogo
Assistentes de encenação: Cláudia  Diogo e Marta Silva
Figurinos e Adereços: Marta Silva, Maria do Céu Monteiro
Direcção Artística : Mónica Cunha
Produtora Executiva: Inês Almeida

A Associação do Porto de Paralisia Cerebral é parceira empenhada das pessoas com paralisia cerebral ou com situações neurológicas afins, e outras pessoas em situação de vulnerabilidade bem como das suas famílias, na orientação e no apoio necessário para a sua integração plena enquanto cidadãos, encarando-os como os agentes efectivos da mudança.

A companhia “Era uma vez... Teatro” é um coletivo com 18 anos de existência criado no seio da Associação do Porto de Paralisia Cerebral (com objectivo de criar projectos artísticos de inclusão). A inclusão que defendemos expressa-se através do desenvolvimento de actividades no âmbito da sensibilização, formação, pesquisa, experimentação, promoção e produção de eventos artísticos. Assim, este colectivo, composto por pessoas com e sem paralisia cerebral, assume-se como um espaço plástico e permeável ao intercâmbio com outras instituições e artistas emergentes.
Ao longo dos 18 anos de vida, a companhia "Era uma vez... Teatro" produziu 35 criações teatrais. Estas, pela complexidade das suas dramaturgias e exigência qualitativa das direcções artísticas, pareceram-nos sempre excelentes veículos para a sensibilização de públicos para a temática das (des)igualdades sociais, provando as capacidades artísticas da pessoa com deficiência.
A metodologia passa pela realização de trabalhos reflexivos e de exploração estética e poética, fazendo uso do teatro psicofísico para a apreensão e compreensão de diversos aspectos da área teatral, na exploração de temáticas propostas durante o período de processo criativo.
O trabalho baseia-se no teatro experimental, contemporâneo e, também, no improviso. A exploração do próprio corpo, neste contexto, permite ao indivíduo (actor) uma ferramenta para melhorar a sua postura perante a vida.

Reservas
225573790
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.                

                                                     

Itens relacionados

  • “Feitas de Ferro, desenhadas a carvão” da APPC estreia sábado em Paranhos

    A violência sobre as mulheres é o ponto de partida da mais recente produção do grupo “Era uma vez... Teatro”, da Associação do Porto de Paralisia Cerebral (APPC)

    A estreia está agendada para sábado às 21h30, no Auditório Horácio Marçal (Junta de Freguesia de Paranhos). Em cena serão apresentadas as histórias de dez mulheres que decidem “romper o palco e aumentar as possibilidades de sobrevivência” – despindo aquilo que o coletivo de teatro da APPC retrata como um “silêncio indigno das mulheres maltratadas”.

  • APPC: projeto de nova sede e residência universitária procura parceiros e fundos

    A Associação do Porto de Paralisia Cerebral (APPC) tem um sonho: construir uma nova sede que simultaneamente acolherá estudantes universitários com deficiência. O projeto está orçado em 1,7 milhões de euros e deverá ser candidatado a fundos europeus.

  • Enfermeiro/atleta Duarte Gil atingiu a meta na APPC

    O enfermeiro/atleta Duarte Gil Barbosa, que no início de setembro anunciou que iria tentar correr 200 quilómetros e doar um euro por quilómetro à Associação do Porto de Paralisia Cerebral (APPC), atingiu a meta e visitou recentemente a instituição.

  • Mais de 16 mil euros para o “APPC Playground”

    A Associação do Porto de Paralisia Cerebral (APPC) conseguiu angariar 16.931,81 euros que irão a curto prazo ser aplicados na implementação do “APPC Playground”, um projeto que irá intervir nas áreas da educação digital e alimentar, bem como no apoio à empregabilidade. A verba foi angariada numa iniciativa promovida por uma grande superfície comercial.

  • APPC: Duarte Gil Barbosa doa um euro por quilómetro e desafia outros corredores

    Um atleta informal, Duarte Gil Barbosa, decidiu correr pela Associação do Porto de Paralisia Cerebral (APPC). É enfermeiro mas corre há 14 anos e nos dias 17 e 18 de setembro vai participar no “24H Portugal 2016” em Vale de Cambra. Por cada quilómetro percorrido doará um euro. Quer fazer 200.

Consola de depuração Joomla

Sessão

Dados do perfil

Utilização de memória

Pedidos à Base de dados