Nada sober vós sem vós

Log in
updated 8:12 PM WET, Nov 20, 2017
Informação:
ACOMPANHE: Todas as novidades sobre os projetos com 'marca' Plural&Singular. Além do concurso de fotografia internacional em que TODOS cabem - cuja cerimónia de entrega de prémios decorre dia 3 e dezembro no CPF, no Porto - avançamos com formações em Comunicação Acessível e Sexualidade&Afetos, o projeto "Nós os cuidadores - sessões de grupo para cuidadores informais!" e com candidaturas ligadas ao ERASMUS+            Consulte também a página do Núcleo de Inclusão, Comunicação e Media e adira ao nosso grupo de debate e partilha no facebook  

Atletas olímpicos e paralímpicos com prémios iguais

O valor dos prémios para atletas olímpicos e paralímpicos vai ser o mesmo. O Orçamento do Estado (OE) para 2017 prevê a equiparação. Só falta alterar a lei, tarefa que cabe agora ao Governo.

Em comunicado (ler AQUI) o Provedor de Justiça, José de Faria Costa, assinala “a circunstância de ter sido aprovada a equiparação dos montantes dos prémios atribuídos em reconhecimento do valor e mérito dos êxitos desportivos dos atletas paralímpicos aos atribuídos aos atletas olímpicos”.

Esta alteração passa a estar consagrada no artigo 95.º da Lei n.º 42/2016, de 28 de dezembro (Lei do Orçamento do Estado para 2017).

O Provedor de Justiça recorda que, em 2015, havia defendido esta solução junto do secretário de Estado do Desporto e da Juventude “chamando a atenção para o facto de o valor dos prémios atribuídos aos jogadores olímpicos constituir o dobro do valor dos prémios atribuídos aos jogadores paralímpicos”.

“Este órgão do Estado considerava esta discriminação inaceitável e fez notar que esta diferenciação se mantinha à revelia da tendência verificada no direito comparado europeu”, lê-se na nota de José de Faria Costa.

Segundo conta o Provedor de Justiça em resposta, o responsável governamental informou que a situação seria objeto de estudo com vista à aproximação dos dois regimes.

“Com a aprovação da Lei do Orçamento de Estado para 2017 eliminou-se totalmente a discriminação dos atletas paralímpicos quanto ao valor dos prémios desportivos, o que constitui uma solução positiva do ponto de vista do reconhecimento do valor e mérito dos jogadores paralímpicos e, consequentemente, da observância dos ditames consagrados na Declaração Universal dos Direitos do Homem e na Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência”, vinca o Provedor de Justiça.

Valores em causa

Segundo consta na Portaria que agora terá de ser alterada, uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos vale 40.000 euros, uma de prata 25.000 e uma de bronze 17.500.

No entanto nos Jogos Paralímpicos os valores base são, para ouro, prata e bronze, respetivamente: 20.000. 12.500 e 7.500 euros.

Campeonatos do Mundo e da Europa organizados pelo Comité Paralímpico Internacional (IPC), ou pela respetiva federação de modalidade até aqui têm os seguintes valores: 5.000 (ouro), 2.500 (prata) e 1.250 euros (bronze). Nada mais nada menos do que metade do valor atribuído às conquistadas de atletas olímpicos em competições semelhantes.


Itens relacionados

  • A inclusão na diversidade: concurso de fotografia recebeu 106 imagens

    O concurso internacional de fotografia “A inclusão na diversidade”, cofinanciado pelo Programa de Financiamento a projetos de 2017 do Instituto Nacional de Reabilitação, I.P., recebeu 106 imagens, num total de 47 candidaturas, sendo 20 de candidatos estrangeiros e apenas três enviadas por entidades.

  • Plural&Singular avança com formação em sexualidade&afetos
    Começa hoje a ação de formação preparada pela Plural&Singular no âmbito da Sexualidade&Afetos das pessoas com deficiência e dirigida aos colaboradores da CERCIGUI - Cooperativa de Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados do Concelho de Guimarães, CRL e da Associação para a Integração e Reabilitação Social de Crianças e Jovens Deficientes de Vizela.
  • Nós, os cuidadores: Mais 12 cuidadores participam nas sessões de grupo
    São 12 os participantes do projeto “Nós, os cuidadores - Sessões de grupo para cuidadores informais”, iniciado em Guimarães, que, contando com o cofinanciamento do Instituto Nacional de Reabilitação (INR, I.P.) terão, a partir de sexta-feira, a oportunidade de partilhar dúvidas, receios, alegrias e tristezas em 14 sessões de apoio grupal dinamizadas pela psicóloga clínica Marta Freitas Figueiredo, colaboradora da Plural&Singular.
  • 4.ª edição do concurso de fotografia “A inclusão na diversidade”

    Foi lançado em 2014 pela Plural&Singular, em parceria com o Centro Português de Fotografia (CPF), e em 2017 continua à procura de "inclusão na diversidade". O concurso de fotografia internacional em que TODOS cabem está de volta para mais uma edição, a quarta. No ano de arranque estiveram 61 imagens em concurso, um número que evoluiu para 85 na 2.ª edição. O desafio agora é claro mas não é simples: manter ou ultrapassar a o resultado da 3.ª edição: 144 fotografias. "Vamos tentar", responde a organização que avança com uma pergunta e imediatamente deixa a resposta: "Quer ajudar? Concorra". As candidaturas podem ser entregues por correio ou email até 15 de outubro.

  • “Nós, os cuidadores” avança amanhã “à experiência”

     

    Graças ao apoio da junta de freguesia de Creixomil, em Guimarães, o projeto “Nós, os cuidadores - Sessões de grupo para cuidadores informais”, vai, finalmente, avançar, de 15 de julho a 05 de agosto. Este apoio é dirigido a cinco cuidadores informais que terão um total de 10 horas de apoio em grupo, concentradas em quatro sessões dinamizadas pela psicóloga clínica Marta Freitas Figueiredo, colaboradora da Plural&Singular.

Deixe um comentário

Bingo sites http://gbetting.co.uk/bingo with sign up bonuses

publicidade

publicidade

Publicidade

4°C

Lisboa

Sunny

Humidity: 65%

Wind: 22.53 km/h

  • 21 Nov 2017 14°C 3°C
  • 22 Nov 2017 11°C 1°C

Publicidade